Notícias

Taurus (TASA4): Americanos estão comprando armas em números recordes

Data: 05/04/2021



No dia 01 de abril, foram divulgados os números do NICS – National Instant Criminal Background System Checks referentes a março de 2021. Este número representa a intenção de compra de armas de fogo nos Estados Unidos por meio da verificação de antecedentes feita pelo FBI.

 

Por eles, é possível verificar que o quantitativo de março e do trimestre são recordes absolutos para essses períodos, considerando-se toda a série histórica iniciada em 1998.

 

Foram 4.691.738 em março de 2021, contra 3.740.688 no mesmo mês de 2020, significando um acréscimo percentual de 25,4%. Sobre fevereiro de 2021, o acréscimo foi ainda maior, de cerca de 36%, e sobre o primeiro trimestre de 2020, foi de 34,67%.

 

As verificações de antecedentes não se correlacionam necessariamente com as vendas de armas, que não são monitoradas oficialmente nos Estados Unidos, mas se constituem no melhor indicador existente para poder estimá-las.

 

No 4º trimestre de 2020 (4T20), período em que já estavam presentes os problemas que fizeram o mercado de armas disparar nos EUA, a Taurus (>BOV:TASA3) (>BOV:TASA4) comercializou nos Estados Unidos um total de 441.300 armas, com um aumento de 56,8% em relação ao 4T19 e de 15% sobre o 3T20.

 

Os americanos compraram cerca de 2,2 milhões de armas no mês passado, o segundo maior número de março já registrado, de acordo com a consultoria Small Arms Analytics and Forecasting. Depois de atingir o recorde anual de quase 23 milhões de unidades em 2020, as vendas de armas na América continuaram a manter o ímpeto.

 

As vendas de armas geralmente são impulsionadas por recreação e segurança, mas também há preocupações com o aumento das medidas governamentais para controle das armas, com algumas pessoas até mesmo mudando para estados mais favoráveis ​​à liberdade.

 

Kim Rhode, seis vezes medalhista olímpica de tiro ao alvo, em abril de 2018  processou Xavier Becerra , então procurador-geral da Califórnia e atual secretário de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos. A restrição na compra de munição para californianos significava que ela não tinha munição suficiente para seu treinamento. Em março de 2020, ela não conseguiu se classificar para os Jogos Olímpicos de Tóquio.

 

“A proibição de munição e a ação judicial para anulá-la contra o estado da Califórnia tiveram um efeito definitivo em meu treinamento”, escreveu Rhodes em um e-mail para o Epoch Times em 29 de março. Ela disse que se concentraria nos Jogos de Paris em 2024. Seu caso está pendente no Tribunal de Apelações dos Estados Unidos para o Nono Circuito.

 

Chuck Michel, o advogado de Rhode, disse ao Epoch Times: “A restrição de munição não apenas interferiu e, em alguns casos, eliminou, a capacidade dos atiradores competitivos de obter munição, mas também, e talvez tão importante, atiradores recreativos”. Ele disse que o legislativo aprova uma lei, mas depois passa a administração e gestão da lei para o Departamento de Justiça (DOJ). “E o DOJ é subfinanciado e incapaz de fazer o trabalho burocrático necessário para fazer esses sistemas funcionarem”, disse ele.

 

Responsável por sua própria segurança pessoal

O uso de armas para autodefesa são comuns, mas raramente são relatados na mídia convencional. “Quase todas as estimativas de pesquisas nacionais indicam que o uso de armas defensivas pelas vítimas é pelo menos tão comum quanto o uso ofensivo por criminosos, com estimativas de uso anual variando de cerca de 500.000 a mais de 3 milhões por ano”, de acordo com um relatório de 2013 encomendado pelo Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) durante o governo Obama.

 

A colega sênior da Heritage Foundation, Amy Swearer, mantém um banco de dados que documenta o uso de armas de autodefesa em todo o país. Em um desses casos, uma mulher com uma licença de porte oculto atirou em um homem que tentou roubá-la em Hyde Park, Chicago, em janeiro de 2019.

 

A posse de armas envolve tanto os direitos de propriedade quanto os direitos das armas para Patrick Henry, um pequeno empresário da Virgínia. Ele usou um pseudônimo para proteger seu negócio de retaliação potencial de grupos que podem não concordar com seus pontos de vista.

 

Ele disse ao Epoch Times: “Eu acredito que nossos fundadores estavam certos porque eles acreditam que esses direitos nos foram dados por Deus. E acredito que aqueles que entregariam a responsabilidade de se manterem seguros estão, em alguns graus, fazendo do governo seu deus e fazendo do governo seu poder superior. ”

 

Scott Finley (também pseudônimo), ex-agência governamental e atual executivo sem fins lucrativos, explicou suas expectativas em relação ao governo: “Devemos pagar impostos para consertar coisas como estradas ou manter coisas assim. Esses são os bens públicos. Acho que a segurança como um bem público é uma ideia muito perigosa. O governo certamente deve fornecer segurança contra invasores estrangeiros. Não acho que esperaríamos que o governo federal me protegesse se alguém invadisse minha casa. É um conceito bobo. ”

 

Conexão com a Natureza e a Família

 

Andy Galusha, um arquiteto paisagista em Fairfax County, seguiu os passos de seu pai na Itália e na França e lutou por dois anos durante a Segunda Guerra Mundial.

 

“Muitos desses veteranos são muito humildes e não falam muito sobre isso, mas você percebe o que eles passaram e o que sacrificaram. Ao passar por esta [encenação], aprendi como é pousar em uma praia em uma embarcação de desembarque. Quando aquela porta cai, você sai correndo dela. É definitivamente uma experiência ”, disse Galusha sobre suas viagens e reconstituição de cenas de guerra mundial.

 

Galusha compartilhou com o Epoch Times que atirar para ele alivia o estresse: “Você chega a esse nível e fica muito relaxado e sente como se todos os seus problemas tivessem desaparecido de você. Você pode estar tendo o pior dia. Você vai para o campo e, de repente, está tudo bem. ”

 

Ele destacou a conexão que o esporte o ajuda a fazer. “É como para algumas pessoas correr ou ouvir música, isso as acalma e as leva para um lugar diferente. Quando você sai para caçar na floresta, você se sente conectado ao passado e ao futuro. Isso é algo que as pessoas fizeram por centenas de anos, obviamente, não muito tempo atrás com armas, mas com arcos e flechas e lanças por milênios. ”

 

O oficial aposentado do Exército Paul Veneziano disse que as encenações da Primeira Guerra Mundial, das quais ele e seus amigos participaram, são uma “maneira holística de desfrutar de suas armas de fogo”, experimentando a história, a camaradagem e as armas antigas. Tanto Galusha quanto Veneziano são membros da Associação da Grande Guerra, cuja missão é “manter viva a história da Grande Guerra e homenagear aqueles que lutaram em suas batalhas, por meio de encenações de batalhas e eventos educacionais”.

 

‘Vote com firmeza’

 

Finley disse ao Epoch Times que estava “alerta” ao ver a liberdade sendo espremida pelo governo federal. Ele também observou uma tendência de mais e mais pessoas que achavam que o governo deveria dizer aos americanos o que fazer, congregando-se na área metropolitana de Washington, DC, semelhante a Sacramento na Califórnia e Albany em Nova York.

 

Ele disse que pensou em se mudar para um estado diferente de sua residência atual na Virgínia. “Você olha para as regras e restrições em todo o país agora com uma pandemia. E, você sabe, você olha para lugares como Nova York, onde você tinha todas essas regras e restrições; enquanto isso, o número de mortos aumenta. Então você olha para lugares como Flórida e Texas, onde há menos restrições, as pessoas estão se saindo melhor em todas as medidas ”, disse ele.

 

“Acho que as pessoas vão gravitar em torno do estado vermelho versus o azul. Infelizmente, está se tornando tão politizado. Mas essa é a realidade ”, acrescentou.

 

Henry compartilhava das mesmas preocupações. “Estamos vendo que em certos estados como Texas e Flórida, certos ideais estão sendo altamente considerados. As pessoas escolherão permanecer nessas áreas e continuar a se reunir nessas áreas. E talvez apenas tenhamos que votar com firmeza e escolher viver em áreas que ainda abraçam nossos direitos mais do que outras ”.

 

Lucro líquido de R$ 263,6 milhões em 2020, alta de 507%

 

A Taurus Armas registrou lucro líquido de R$ 263,6 milhões em 2020, 507% acima do de 2019.

 

No acumulado do ano, a receita operacional líquida aumentou 77,4%, para R$ 1,773 bilhão, e o Ebitda somou R$ 461,5 milhões, crescimento de 260% sobre 2019.

 

“Os indicadores operacionais atingiram níveis sem precedentes para a Taurus e a questão do endividamento, que era um aspecto sensível, foi plenamente equalizada, com a razão de alavancagem dívida líquida/Ebitda saindo de 11,2 em 2018 para 1,7 ao final de 2020”, destaca a mensagem da administração da companhia.

 

A Taurus encerrou 2020 com patrimônio líquido positivo, algo que não acontecia há cinco anos. De acordo com a companhia, o desempenho foi alcançado “antes do prazo originalmente considerado pela gestão”.

 

 



Avenida São Borja, n° 2181 - Prédio A - Fazenda São Borja - CEP: 93035-411
São Leopoldo - RS - Brasil
VER MAPA